Loading...

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Olá, amigos e amigas!

Depois de alguns dias em férias voltei pra matar a saudade do blog!


Estava concluindo a leitura de um livro, muito bom por sinal, que falava, entre outras coisas, sobre a ditadura da beleza na atualidade e que nós mulheres não podemos nos deixar levar por isso!


Concordo plenamente que as mulheres não devem se deixar levar por nenhum tipo de imposição social... aliás, nem os homens, né?! 


Mas discordo que ainda exista essa imposição de padrão de beleza. Acredito que hoje existe um olhar muito mais voltado para a beleza interior de cada um e se algumas pessoas se preocupam demais com a aparência alheia é porque certamente devem ter problema com a própria auto-imagem.


A busca por uma aparência melhor deve estar muito mais relacionada ao bem estar  pessoal de cada um do que com  a opinião de outras pessoas, que na maioria das vezes nem conhecemos (e nem importa!!!)


A beleza de uma mulher está em se sentir poderosa e em acreditar na sua força e magnetismo. Isso sim é o que importa!

Imagem extraída do Google




quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Sobre possibilidades e achismos.

Depois de alguns dias distante desse espaço estou de volta. O texto que escrevi hoje fala sobre possibilidades. Tomara que gostem! 

Beijinhos!!!

Sobre possibilidades e achismos

Hoje estou aqui para falar sobre possibilidades.

O potencial de todos nós, seres humanos, é infindável. Basta acreditarmos em algo e se quisermos podemos fazer acontecer. Tudo depende da intensidade com que queremos e do empenho em alcançá-lo.

Houve um tempo em que acreditava quando alguém me dizia que não conseguiria fazer alguma coisa.  Desafiadora por natureza não aceitei me rebaixar aos achismos.  Com o tempo fui descobrindo que tudo dependia da minha única e exclusiva vontade.

As possibilidades em nossas vidas são intermináveis. Podemos ser tudo que quisermos e fazer  tudo que quisermos, desde que isso não ofenda a integridade física e mental de ninguém, é claro.
Nessa vida não podemos ser reféns do que os outros pensam a nosso respeito. 

Às vezes, sem querer, pessoas queridas e amigas nos fazem pensar que somos menos do que realmente somos.  E por conta disso, ficamos limitados, nos escondendo dos outros e de nós mesmos acreditando em verdades inventadas.

É importante nos conscientizarmos de que cada pessoa é dona de si e o limite para suas possibilidades é o limite do seu querer. 

Por isso, se você tem um projeto antigo e não o desenvolveu porque acreditou que não seria capaz, desafie-se.  

Você é seu único limitador.

Viva hoje como se não houvesse amanhã!

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

A postagem de hoje é dedicada a um tema presente na vida de quase todos nós, meros mortais: a insatisfação. Não é raro ouvir pessoas reclamando do trabalho, das condições de vida, do lugar onde vivem,  das pessoas com quem convivem. Muito, muito comum. Sou obrigada a reconhecer que eu também faço parte desse time. Muitas vezes, reclamo por reclamar... só pra não perder o costume. Mas mais importante que reclamar é AGRADECER. 

Agradecer às oportunidades que tivemos para crescimento enquanto seres humanos. Quando encontramos dificuldades, devemos enxergar as oportunidades. Muitas vezes em meio à dificuldade encontramos pessoas e momentos insubstituíveis que não teríamos conhecido em situações confortáveis. Eu vivi e vivo isso intensamente em minha vida.

Mas o texto que vou postar abaixo não é meu. É de um escritor brasileiro muito famoso, cujos textos adoro, principalmente os curtos textos e reflexões de seu blog. 

Aproveitem a leitura.


O eterno insatisfeito


por Paulo Coelho 
Shantih percorria as cidades pregando a palavra de Deus, quando um homem veio procurá-lo para que curasse seus males.
“Trabalhe. Alimente-se. E louve a Deus”, respondeu Shantih.
“Acontece que quando como minha barriga queima com azia. Quando bebo, minha garganta arde com a bebida. Quando rezo, sinto que Deus não me escuta. E quando trabalho, sinto minhas costas que doem com o peso da lavoura”, disse o homem.
“Então busque outra pessoa para ensiná-lo”.
O homem foi embora, revoltado. Shantih comentou com os que ouviram a conversa:
“Ele tinha duas formas de encarar cada coisa, e escolheu sempre a pior. Quando morrer, é possível que também reclame do frio dentro do túmulo”.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Reciclando!!!

Genteeeeeeeeeeeeee...... mais uma reciclagem de latinhas... 

Uma foi feita com tecido e na outra (menor) passei uma tinta prateada e dei um acabamento com lacinhos...

Olha aí o resultado:





quinta-feira, 6 de setembro de 2012


Eu queria ser



Eu queria ser
Um pássaro batendo asas contra o vento
A lua banhando a noite escura com toda sua luz
A flor que desabrocha no início da primavera

Eu queria ser
A criança que brinca inocente
A benção de uma mãe sobre seus filhos
O beijo de um casal apaixonado

Eu queria ser
Tudo aquilo que é tão simples e tão belo
Que às vezes nos passa sem notar
Que a beleza da vida pode estar na leveza do que vai no dia-a-dia.

(Ândrea Delgado)

                                                     Imagem extraída do Google

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Bom diaaaaaa.........

Fiquei muito feliz que meu singelo texto foi publicado no site da querida Vanda.

Para conferir cliquem em:

www.planetadablogueira.com

Além de super simpática a Vanda tem posts muito legais e ainda é super receptiva com novos blogueiros como eu!

Obrigada, Vanda!

Beijokas!!!

quinta-feira, 30 de agosto de 2012


SER MÃE É...

De todos os dilemas que já encontrei nessa vida acredito que SER MÃE é o maior deles!  Não há nada mais prazeroso e difícil, ao mesmo tempo. Sabe por quê? Porque ninguém nos prepara para a maternidade. A vida ensina na prática. 

E como assusta esse turbilhão de sentimentos que vão desde o amor supremo à sensação de impotência de nada poder fazer quando o dentinho de sua filha está nascendo e ela fica aos prantos, mesmo depois de você fazer tudo que estava ao seu alcance.

Existe na mãe uma força que nos impele a evitar que nossos filhos sintam qualquer tipo de dor, seja física ou emocional.  E é aí que a gente vira uma onça braba protegendo a cria de  qualquer ameaça.  Pensando nisso chega-se à conclusão de que ser mãe é amar e zelar sem descanso por toda a vida.

E é um sentimento tão puro, genuíno e inspirador, que mesmo com toda essa confusão de sentimentos a gente se pega pensando que quer ter mais um (e quando será?), mas a vontade mesmo era de ter mais uns quatro filhos.

Que absurdo, alguns dirão.  Mas é a pura verdade.  Acho que é por isso que em outros tempos os casais tinham muito mais filhos. E que heroínas as mães daquela época que cozinhavam, cuidavam da casa, dos maridos e dos filhos (na maioria, mais de cinco) e o faziam com todo zelo, criando cidadãos de bem, pessoas honradas com muitas qualidades que hoje não se vê mais por aí.

A vida era mais simples. Mas uma coisa não mudou: ser mãe é padecer no paraíso. Essa foi uma das frases mais sábias que já inventaram.

(Ândrea Delgado)